Skip links

Laserterapia fisioterapia: o que é e para que serve

Se você já se perguntou sobre a eficácia da laserterapia na fisioterapia, também conhecida como laser fisioterapia, este artigo é o guia definitivo para entender como essa abordagem inovadora da terapia com laser pode revolucionar o processo de recuperação. A laserterapia fisioterapêutica é uma técnica que tem ganhado destaque no cenário médico, oferecendo uma abordagem não invasiva e eficaz para tratar uma variedade de condições.

Neste post, você vai entender a fundo o que é laserterapia fisioterapia, como funciona a laserterapia e de que maneira os tipos de laser fisioterapia pode ser aplicada para melhorar a qualidade de vida dos pacientes. Descubra como a laserterapia fisioterapêutica está transformando os padrões de tratamento, oferecendo resultados promissores e inovadores.

Laserterapia o que é?

A laserterapia fisioterapêutica é uma modalidade de tratamento que utiliza a luz do laser para promover a recuperação de tecidos lesionados, aliviar a dor e acelerar o processo de cicatrização. Essa abordagem inovadora é uma parte integrante da fisioterapia moderna, oferecendo uma alternativa não invasiva e eficaz para o manejo de uma variedade de condições musculoesqueléticas e dermatológicas.

O princípio por trás da laserterapia fisioterapêutica reside na capacidade da luz laser de penetrar nos tecidos do corpo, estimulando processos biológicos que favorecem a regeneração celular e a redução da inflamação. A laserterapia pode ser aplicada em diferentes intensidades e comprimentos de onda, adaptando-se às necessidades específicas de cada paciente e condição clínica.

Para que serve a laserterapia fisioterapia?

A laserterapia na fisioterapia serve para uma variedade de propósitos e é utilizada como parte integrante de planos de tratamento para diversas condições. Aqui estão alguns dos principais objetivos e benefícios da laserterapia na fisioterapia:

  1. Alívio da Dor: A laser fisioterapia é frequentemente empregada para reduzir a dor associada a várias condições, como lesões musculares, articulares ou neuropáticas. A estimulação da liberação de endorfinas e a modulação da condução nervosa contribuem para o alívio da dor.
  2. Redução da Inflamação: O laser pode ajudar a diminuir a inflamação ao modular a resposta inflamatória e reduzir a produção de substâncias pró-inflamatórias. Isso é particularmente útil em condições inflamatórias crônicas ou agudas.
  3. Aceleração da Cicatrização: A laserterapia estimula a produção de ATP (adenosina trifosfato), o que contribui para a regeneração celular e acelera o processo de cicatrização de feridas, lesões musculares e outros tecidos.
  4. Melhora da Circulação Sanguínea: Ao aumentar a microcirculação sanguínea na área tratada, a laserterapia melhora o suprimento de oxigênio e nutrientes para os tecidos, promovendo a recuperação e a saúde celular.
  5. Redução de Edema: O laser pode ajudar na redução do inchaço (edema) ao facilitar a drenagem linfática e melhorar o fluxo sanguíneo, reduzindo a acumulação de fluidos.
  6. Reabilitação Musculoesquelética: A laserterapia desempenha um papel importante na reabilitação de lesões musculoesqueléticas, como entorses, distensões, tendinites e lesões ligamentares, contribuindo para a restauração da função e da amplitude de movimento.
  7. Tratamento de Condições Dermatológicas: Condições dermatológicas, como úlceras de pressão, feridas crônicas e queimaduras, podem se beneficiar da laserterapia para promover a cicatrização da pele.
  8. Melhoria da Mobilidade Articular: Em casos de condições como osteoartrite, a laserterapia pode ajudar a reduzir a rigidez articular e melhorar a mobilidade.
  9. Gestão de Lesões Esportivas: Atletas frequentemente utilizam a laserterapia para acelerar a recuperação de lesões esportivas, como distensões musculares e contusões.
  10. Modulação de Processos Inflamatórios Crônicos: Em condições crônicas, como artrite reumatoide, a laserterapia pode ajudar a modular processos inflamatórios, contribuindo para o controle dos sintomas.

A terapia com laser na fisioterapia é uma abordagem versátil e segura, quando administrada por profissionais qualificados. Ela pode ser utilizada isoladamente ou integrada a outras modalidades de tratamento, dependendo das necessidades específicas do paciente e da condição clínica em questão.

Para que serve o laser na fisioterapia?

O laser na fisioterapia é utilizado principalmente para acelerar a recuperação de lesões musculares, articulares e tendinosas, além de ajudar no alívio da dor. Esse tipo de tratamento, conhecido como terapia a laser de baixa intensidade (LLLT), utiliza a luz laser para estimular a regeneração celular, melhorar a circulação sanguínea e reduzir a inflamação.

A aplicação do laser na fisioterapia pode ser útil em uma variedade de condições, como tendinites, bursites, artrite, lesões esportivas, dores musculares e articulares, entre outras. O laser na fisioterapia é uma opção terapêutica não invasiva e geralmente indolor, que pode ser uma alternativa ou complemento aos tratamentos convencionais, ajudando os pacientes a se recuperarem mais rapidamente e retornarem às suas atividades diárias de forma mais eficiente.

Tipos de laser fisioterapia

tipos de laser
A laserterapia ou terapia com laser é um procedimento que utiliza a radiação eletromagnética em forma de luz para promover a regeneração celular e aliviar a dor. Existem dois tipos principais de laserterapia: a terapia a laser de baixa intensidade (LLLT) e a terapia a laser de alta intensidade (HILT).

Os tipos de laser usados na fisioterapia podem ser classificados de acordo com a sua potência e a forma de emissão.

Terapia a laser de baixa intensidade (LLLT)

  • Laser de baixa potência: Tem potência de até 500 mW e é usado para tratar uma variedade de condições musculoesqueléticas, incluindo dor, inflamação, cicatrização de feridas e reabilitação pós-cirúrgica.

É um procedimento não invasivo que utiliza um laser de baixa potência, que emite uma luz vermelha ou infravermelha. Durante o procedimento, o laser é aplicado diretamente na área afetada do corpo e a luz emitida pelo laser penetra profundamente nos tecidos e ajuda na regeneração celular, reduzindo a inflamação, aliviando a dor e acelerando a cicatrização. A LLLT é comumente utilizada para tratar lesões musculares, inflamações e dores crônicas.

Terapia a laser de alta intensidade (HILT)

  • Laser de alta potência: O laser de alta intensidade fisioterapia tem potência superior a 500 mW e é usado para procedimentos cirúrgicos, como ablação de tecido e coagulação.

É um procedimento mais invasivo do que a LLLT, que envolve o uso de um laser de alta potência para tratar condições médicas mais graves. O laser de alta potência é utilizado para remover ou reduzir tecidos anormais, como tumores, verrugas, cicatrizes e outras lesões. A HILT é mais agressiva do que a LLLT e pode causar efeitos colaterais, como dor e reações inflamatórias.

Forma de emissão laser terapia fisioterapia

Na laser terapia fisioterapia os lasers podem ser classificados de acordo com a forma como o feixe de luz é emitido.

  • Laser contínuo: Emite um feixe de luz contínuo.
  • Laser pulsado: Emite um feixe de luz em pulsos curtos.
  • Laser modulado: Emite um feixe de luz que é alternado ou modulado em frequência

Tipo de laser terapeutico

Potência do laser terapeutico

Forma de emissão

Efeitos terapêuticos

Laser terapeutico de baixa potência Até 500 mW Contínuo, pulsado, modulado Analgésico, anti-inflamatório, cicatrização de feridas, reparo de tecidos, crescimento celular
Laser tarapeutico de alta potência Acima de 500 mW Contínuo, pulsado Ablação de tecido, coagulação

Em resumo, a laserterapia pode ajudar a tratar uma variedade de condições médicas, desde lesões esportivas e inflamações até tumores e outras lesões graves, além de prevenção segundo o estudo da Revista Cientifica, “Uma vez que o ponto luminoso não só atinge a área específica da lesão como também o tecido adjacente, o laser terapeutico promove a prevenção de possíveis lesões3,2′.

Laserterapia: O que é dosimetria?

A dosimetria é uma ferramenta essencial para medir a dose de radiação e energia absorvida em diferentes aplicações terapêuticas. Com a compreensão dos princípios e o uso adequado dos parâmetros, é possível obter resultados terapêuticos eficazes. É fundamental contar com profissionais. Em suma, ‘’É a medida da dose absorvida ou da dose de radiação fornecida a um sistema’’.

Tempo e Potência de Emissão:

O tempo de aplicação de uma certa quantidade de energia em uma determinada área é diretamente proporcional à potência de emissão. Isso significa que quanto maior a potência de emissão, menor será o tempo necessário para aplicar uma determinada quantidade de energia. Essa relação entre tempo e potência é crucial para o controle adequado da exposição à radiação durante os procedimentos.

Aparelhos e Programação:

Atualmente, muitos aparelhos utilizados na dosimetria já vêm de fábrica com programas pré-configurados, o que simplifica a manipulação e o ajuste dos parâmetros. Isso oferece aos fisioterapeutas a flexibilidade de realizar aplicações por zona ou varredura, permitindo a modificação da área de incidência conforme necessário.

Como o laser atua na dor?

A ação do laser na fisioterapia na redução da dor é complexa e envolve vários mecanismos biológicos. De forma teórica, podemos entender o processo da seguinte maneira:

  1. Efeito Fotobiomodulação: O laser utilizado na terapia emite luz em um comprimento de onda específico. Esse feixe de luz é absorvido pelos cromóforos nas células, como a hemoglobina e a citocromo c oxidase. Esse processo é conhecido como fotobiomodulação, e a absorção da luz pelos cromóforos desencadeia uma série de eventos celulares.
  2. Estímulo à Produção de ATP: A luz do laser, ao interagir com a citocromo c oxidase, promove um aumento na produção de adenosina trifosfato (ATP), que é a principal fonte de energia celular. Esse aumento de energia favorece a atividade celular e metabólica, contribuindo para a regeneração e reparo dos tecidos.
  3. Modulação da Inflamação: O laser também influencia os processos inflamatórios. Ele pode reduzir a produção de substâncias pró-inflamatórias, como citocinas, e modular a resposta inflamatória, ajudando a controlar a dor associada à inflamação.
  4. Liberação de Endorfinas: A exposição ao laser pode estimular a liberação de endorfinas, que são os analgésicos naturais do corpo. As endorfinas atuam nos receptores opióides, diminuindo a percepção da dor.
  5. Inibição da Condução Nervosa: O laser pode influenciar a condução nervosa ao nível das fibras nervosas, reduzindo a transmissão de sinais de dor ao longo dos nervos.
  6. Melhora na Microcirculação: A laserterapia pode aumentar a microcirculação sanguínea, melhorando o suprimento de oxigênio e nutrientes para os tecidos, o que contribui para a redução da dor e aceleração do processo de cicatrização.
  7. Redução da Sensibilidade Nervosa: O laser pode diminuir a sensibilidade dos receptores nervosos, alterando a percepção da dor.

Esses efeitos combinados do laser na fisioterapia resultam em uma redução significativa da dor, tornando a laserterapia uma abordagem valiosa no tratamento de condições dolorosas e inflamatórias. É importante ressaltar que a aplicação clínica da laserterapia na prática fisioterapêutica requer uma compreensão detalhada da condição do paciente, ajustes apropriados nos parâmetros do laser e a integração adequada com outras modalidades de tratamento fisioterapêutico.

Parâmetros e Seus Efeitos:

Existem diferentes parâmetros a serem considerados na dosimetria, cada um com efeitos específicos. A seguir, estão alguns exemplos de parâmetros com suas respectivas faixas de valores para diferentes efeitos terapêuticos:

laserterapia fisioterapia

  • Efeito Analgésico: Geralmente é alcançado com uma faixa de dose entre 2 a 4 J/cm². A terapia com radiação nessa faixa pode proporcionar alívio da dor e diminuição do desconforto.
  • Efeito Anti-inflamatório: Para obter um efeito anti-inflamatório, a dose recomendada varia de 1 a 3 J/cm². Essa faixa pode ajudar na redução da inflamação e na promoção da recuperação de lesões.
  • Efeito Cicatrizante: A faixa de dose de 3 a 6 J/cm² é comumente utilizada para estimular a cicatrização de feridas. A radiação nessa faixa pode acelerar o processo de cicatrização e melhorar a regeneração dos tecidos.
  • Efeito Circulatório: Para estimular a circulação sanguínea, a dose recomendada varia de 1 a 3 J/cm². Essa faixa pode ajudar a melhorar o fluxo sanguíneo local, promovendo a oxigenação dos tecidos e a remoção de resíduos metabólicos.

Abordando mais a fundo os parâmetros do laser para cicatrização:

  • Comprimento de onda: O comprimento de onda da luz laser é importante para a eficácia do tratamento. Comprimentos de onda de 600 a 900 nanômetros (nm) são considerados mais eficazes para a cicatrização de feridas.
  • Potência: A potência do laser é medida em miliwatts (mW). A potência ideal para a cicatrização de feridas é de 2 a 5 mW.
  • Tempo de aplicação: O tempo de aplicação do laser é medido em segundos. O tempo de aplicação ideal para a cicatrização de feridas é de 5 a 10 minutos.
  • Modo de emissão: O modo de emissão do laser é a forma como a luz é emitida. Os modos de emissão mais comumente usados para a cicatrização de feridas são o contínuo e o pulsado.
  • Tamanho do ponto: O tamanho do ponto é a área da pele que é irradiada pelo laser. O tamanho do ponto ideal para a cicatrização de feridas é de 1 a 2 centímetros quadrados.
A escolha dos parâmetros do laser para cicatrização depende da condição específica do paciente e do objetivo do tratamento. Em geral, a terapia com laser de baixa potência é segura e eficaz para a cicatrização de feridas. No entanto, é importante seguir as instruções do fabricante e consultar um profissional de saúde qualificado antes de usar.

É importante ressaltar que esses valores são apenas exemplos e podem variar dependendo do tipo de tratamento, do objetivo terapêutico e das características individuais de cada paciente. Sempre é recomendado o acompanhamento de um profissional qualificado para determinar a dosagem adequada em cada caso. Conheça mais a fundo sobre esse assunto no Portal Sanar Saude.

Como é feita a fisioterapia a laser?

A fisioterapia a laser, também conhecida como laserterapia fisioterapêutica, envolve a aplicação cuidadosa de luz laser em áreas específicas do corpo para promover a recuperação, aliviar a dor e melhorar a função. O processo geralmente segue as seguintes etapas:

  1. Avaliação do Paciente: Antes de iniciar a fisioterapia a laser, o fisioterapeuta realiza uma avaliação abrangente do paciente. Isso inclui a análise da condição médica, histórico clínico, sintomas, e a determinação da área específica que requer tratamento.
  2. Seleção dos Parâmetros do Laser: Com base na avaliação, o fisioterapeuta determina os parâmetros adequados para a sessão de laserterapia. Isso inclui a escolha do comprimento de onda do laser, a potência, a frequência e a duração da exposição, que podem variar de acordo com a condição clínica e as necessidades do paciente.
  3. Preparação da Área de Tratamento: A área a ser tratada é preparada, geralmente limpando a pele para garantir a eficácia máxima da aplicação do laser.
  4. Aplicação do Laser: O fisioterapeuta posiciona cuidadosamente o aplicador de laser sobre a área-alvo. O laser é direcionado para a pele e, dependendo da condição, pode ser movido em movimentos circulares ou lineares para abranger a região desejada. O tempo de exposição pode variar, mas as sessões geralmente são curtas, geralmente durando de alguns minutos a cerca de 20 minutos.
  5. Sensação durante o Tratamento: A maioria dos pacientes relata sentir uma sensação de calor suave durante a aplicação do laser. No entanto, a laserterapia é geralmente indolor e não invasiva.
  6. Monitoramento e Ajustes: Durante a sessão, o fisioterapeuta monitora a resposta do paciente ao tratamento e pode ajustar os parâmetros do laser conforme necessário para otimizar os resultados.
  7. Plano de Tratamento: Com base na resposta do paciente, é desenvolvido um plano de tratamento individualizado. A frequência e a duração das sessões podem variar, dependendo da condição clínica específica.
  8. Educação e Recomendações: Ao longo do processo, o fisioterapeuta pode fornecer orientações sobre autocuidado, exercícios específicos e modificações no estilo de vida para complementar os benefícios da laserterapia.

É essencial destacar que a fisioterapia a laser deve ser realizada por profissionais treinados e qualificados, garantindo a segurança e a eficácia do tratamento.

Tempo de aplicação do laser na fisioterapia

O tempo de aplicação do laser na fisioterapia varia de acordo com diversos fatores, como:

  • A área a ser tratada: Áreas maiores geralmente requerem mais tempo de aplicação.
  • A potência do laser: Lasers de maior potência podem ter um efeito terapêutico mais rápido.
  • A condição a ser tratada: Condições agudas podem necessitar de sessões mais frequentes e longas.
  • A resposta individual do paciente: Cada paciente responde à laserterapia de maneira diferente.

Em geral, as sessões de laserterapia duram de 5 a 30 minutos.

O fisioterapeuta responsável pelo seu tratamento irá determinar o tempo ideal de aplicação do laser para o seu caso específico.

Alguns fatores que podem influenciar na duração da aplicação do laser:

  • Número de pontos de aplicação: Quanto mais pontos de aplicação, maior o tempo de sessão.
  • Dose de energia utilizada: Doses maiores de energia podem requerer mais tempo de aplicação.
  • Modalidade de aplicação: A aplicação contínua geralmente leva mais tempo do que a aplicação pulsada.

É importante seguir as instruções do fisioterapeuta quanto ao tempo de aplicação do laser.

Lembre-se de que as informações acima não substituem a consulta médica. O diagnóstico e o tratamento corretos dependem da avaliação individual de cada caso.

Quando a Laserterapia não podem ser feitas?

Embora a laserterapia e a fisioterapia sejam úteis na maioria dos casos, existem determinadas situações em que elas não são adequadas ou recomendadas. Abaixo, listamos alguns dos casos em que esses métodos de tratamento não são aconselháveis:

  • Crianças menores de 16 anos: Embora os benefícios da laserterapia e da fisioterapia sejam bem conhecidos, eles não são recomendados para crianças menores de 16 anos. Isso se deve ao fato de que as crianças têm um sistema imunológico ainda desenvolvido e podem ser mais sensíveis às exposições à luz laser e às atividades físicas.
  • Pacientes com problemas cardíacos: As pessoas com condições cardíacas graves, como insuficiência cardíaca, pressão alta ou doenças cardíacas estruturais, devem evitar a laserterapia e a fisioterapia. Uma vez que o corpo dos pacientes precisa de tempo para se recuperar de qualquer esforço, esses métodos podem ser muito estressantes e podem desencadear problemas graves.
  • Pessoas imunodeprimidas: As pessoas com imunidade reduzida, como as que sofrem de HIV, AIDS ou outras condições auto-imunes, não devem fazer laserterapia ou fisioterapia. Esses métodos exigem do organismo um certo esforço e, como tal, podem ser muito estressantes para pessoas com sistema imunológico fraco.
  • Pacientes com problemas de pele: Pessoas com problemas de pele, como acne, eczema ou psoríase, devem evitar a laserterapia até a condição melhorar. A exposição à luz laser pode piorar a condição da pele e agravar os sintomas.

Conclusão

A laserterapia e fisioterapia são métodos úteis e eficazes de tratamento. No entanto, existem determinadas situações em que eles não são recomendados, como problemas cardíacos, imunodeficiência, problemas de pele ou condições em crianças menores de 16 anos. 

Nesses casos, outros métodos menos intensos, como mudança no estilo de vida, alongamento, massagem terapêutica ou exercícios de baixa intensidade deveriam ser considerados. 

Se você ainda tiver dúvidas sobre o que fazer, a Clínica Vicci em BH possui profissionais especializados que podem manejar o tratamento adequado para a sua necessidade.

Entre em contato e agende sua consulta!

Leave a comment