Skip links

Tipos de lesões no tornozelo e sequelas de entorse de tornozelo

O tornozelo, uma peça fundamental na nossa mobilidade diária, está suscetível a uma variedade de lesões que podem impactar significativamente nosso bem-estar. Apesar das lesões no tornozelo serem comuns em atletas, podem ocorrer em qualquer pessoa em qualquer idade e condição física. 

Neste artigo você irá conhecer os diferentes tipos de lesões no tornozelo, desde entorses comuns até lesões mais complexas. Além disso, examinaremos as possíveis sequelas de tornozelo quebrado, apresentando no final no como a fisioterapia para tornozelo quebrado pode evitar que você tenha consequências potencialmente mais graves.

Como saber se a lesão no tornozelo é grave?

A gravidade de uma lesão no tornozelo pode ser avaliada com base nos seguintes critérios:

  • Grau da dor: A dor é o sintoma mais comum de uma lesão no tornozelo. A dor intensa e persistente é um sinal de gravidade.
  • Grau do inchaço: O inchaço é outro sintoma comum de uma lesão no tornozelo. O inchaço intenso e generalizado é um sinal de gravidade.
  • Limitação de movimento: A perda de movimento no tornozelo é um sinal de gravidade.
  • Instabilidade do tornozelo: A instabilidade do tornozelo, ou seja, a sensação de que o tornozelo pode ceder, é um sinal de gravidade.

Se você apresentar algum desses sintomas, é importante consultar um médico para avaliar a gravidade da lesão.

Em geral, as lesões no tornozelo podem ser classificadas em três graus:

  1. Grau 1: Lesão leve, com dor e inchaço moderados. Geralmente, não há perda de movimento ou instabilidade.
  2. Grau 2: Lesão moderada, com dor e inchaço intensos. Pode haver perda parcial de movimento ou instabilidade.
  3. Grau 3: Lesão grave, com dor intensa, inchaço generalizado, perda total de movimento e instabilidade.

O tratamento de uma lesão no tornozelo varia de acordo com o grau da lesão. Em geral, as lesões de grau 1 podem ser tratadas com repouso, gelo, compressão e elevação (RICE). Em alguns casos, pode ser necessário imobilizar o tornozelo com uma tala ou bota ortopédica.

As lesões de grau 2 geralmente requerem imobilização com uma tala ou bota ortopédica por um período de 2 a 6 semanas. Após a imobilização, é importante iniciar a fisioterapia para fortalecer os músculos e melhorar a amplitude de movimento.

As lesões de grau 3 geralmente requerem cirurgia para reparar os ligamentos ou os ossos quebrados. Após a cirurgia, é importante seguir as instruções do médico para o tratamento e a fisioterapia.

É importante procurar atendimento médico o mais rápido possível após uma lesão no tornozelo. O diagnóstico e o tratamento precoces podem ajudar a reduzir o risco de complicações, acelerar a recuperação e evitar possíveis sequelas.

Causas comuns de lesões no tornozelo

A lesão pode ocorrer devido a um movimento errado ou a uma quantidade excessiva de carga ou atividade. Existem várias causas de lesão no tornozelo, incluindo:

  • Entorse – ocorre quando os ligamentos que seguram os ossos do tornozelo juntos são esticados ou rasgados.
  • Fratura – ocorre quando um ou mais ossos do tornozelo são quebrados.
  • Tendinite – inflamação dos tendões que ligam os músculos e ossos do tornozelo.
  • Bursite – inflamação da bolsa cheia de líquido (bursa) que ajuda a amortecer o movimento do tornozelo.
  • Artrite – inflamação das articulações do tornozelo, geralmente causada por desgaste ou lesão.
  • Lesões por esforço repetitivo – geralmente causadas por atividades esportivas ou repetitivas que exigem movimentos de torção ou flexão do tornozelo.
  • Trauma diretopancadas ou impactos diretos no tornozelo podem causar lesões, como contusões.

Tornozelo quebrado sintomas:

O calcâneo é o maior osso do calcanhar, responsável por sustentar o peso do nosso corpo e realizar movimentos como caminhar e correr. Quando um indivíduo sofre uma fratura nesse osso, pode experimentar uma série de sintomas que afetam seus movimentos diários, além de causar uma dor intensa e desconforto. Vamos explorar agora os sintomas mais comuns associados às fraturas de calcâneo:

  • Dor intensa na região do tornozelo
  • Inchaço e vermelhidão na região afetada
  • Dificuldade para movimentar o tornozelo
  • Dificuldades para suportar o peso do corpo na perna afetada
  • Sensação de instabilidade e falta de firmeza ao caminhar
  • Hematomas na região afetada
  • Sensação de formigamento ou dormência na região afetada

Em casos mais graves, pode ocorrer fratura do tornozelo, o que pode causar deformidades, inchaços significativos e ruptura da pele. Caso você sinta algum desses sintomas, é importante procurar ajuda médica imediatamente.

Como é feito o diagnóstico de tornozelo quebrado?

O diagnóstico é feito por um ortopedista que examinará a articulação do tornozelo e perguntará sobre seu histórico de movimentos e atividades que foram realizadas antes do início dos sintomas. É possível que sejam necessários exames de imagem, como raio-x, ultrassonografia ou ressonância magnética para verificar a extensão da lesão no tornozelo.

Tipos de lesões no tornozelo

As lesões podem variar em gravidade, desde lesões menores, como cortes e arranhões, até lesões mais significativas, como fraturas e lesões musculares. É essencial entender os diferentes tipos de lesões e seus sintomas para garantir que você possa tomar as medidas corretas para uma recuperação rápida e segura. Acompanhe a seguir os diferentes tipos de lesão são:

Entorse

  • É caracterizada por uma distensão na articulação do tornozelo devido a um movimento brusco. Pode causar dor, inchaço, sensibilidade e limitação da mobilidade. 
  • O tratamento envolve repouso, compressão, imobilização e medicamentos anti-inflamatórios, conforme orientação médica.

Estiramento muscular ou tendinosa

  • Geralmente ocorre devido a movimentos repetitivos ou atividades excessivas da articulação do tornozelo. Pode causar dor, inchaço e sensibilidade. 
  • O tratamento envolve alongamentos, repouso, calor, compressão e medicamentos.

Fratura

Ocorre com impactos mais violentos na articulação do tornozelo ou por uma queda. Pode causar dor intensa, inchaço, hematomas, perda de sensibilidade, limitação da mobilidade. O tratamento envolve imobilização, compressão, uso de medicamentos analgésicos e, em casos mais graves, cirurgia.

Sequelas fratura tornozelo

Uma fratura no tornozelo pode deixar algumas sequelas, e a gravidade das sequelas pode depender da gravidade da fratura e do tratamento recebido. Conheça a seguir as possíveis sequelas de tornozelo quebrado:

  1. Dor Residual: Algumas pessoas podem experimentar dor residual, especialmente durante mudanças climáticas ou após atividade física.
  2. Rigidez Articular: A articulação do tornozelo pode ficar rígida após a fratura, limitando a amplitude de movimento.
  3. Artrite Pós-Traumática: Lesões articulares podem levar ao desenvolvimento de artrite pós-traumática, causando dor e inflamação crônicas.
  4. Instabilidade do Tornozelo: Danos aos ligamentos podem resultar em instabilidade, aumentando o risco de entorses recorrentes.
  5. Alterações na Marcha: O medo da dor ou da reinjúria pode levar a alterações na forma de andar, o que pode afetar a marcha normal.
  6. Edema Crônico (Inchaço): Algumas pessoas podem experimentar inchaço crônico, especialmente após períodos de atividade.
  7. Dificuldades na Realização de Atividades Cotidianas: A dor residual ou a perda de movimento podem dificultar a realização de atividades diárias.
  8. Necessidade de Reabilitação Contínua: A reabilitação pode ser necessária a longo prazo para manter a força muscular e a amplitude de movimento.
  9. Desenvolvimento de Pé Chato ou Pé Cavo: Alterações na biomecânica do pé podem ocorrer, levando ao desenvolvimento de pé chato ou pé cavo.
  10. Impacto Psicológico: Uma fratura no tornozelo e suas sequelas podem ter um impacto psicológico, causando ansiedade ou medo de atividades físicas.

Sequelas de entorse de tornozelo

É normal que você se pergunte “Mas as sequelas de entorse de tornozelo e as sequelas do tornozelo quebrado não são as mesmas?”. E a resposta é que não, as sequelas de entorse de tornozelo e as sequelas de tornozelo quebrado não são as mesmas.

A entorse de tornozelo é uma lesão dos ligamentos que sustentam o tornozelo. Os ligamentos são tecidos fibrosos que conectam os ossos entre si. Quando os ligamentos são esticados ou rasgados, ocorre uma entorse.

As sequelas de entorse de tornozelo podem variar de acordo com a gravidade da lesão. As sequelas mais comuns incluem:

  1. Dor e inchaço: Estes sintomas geralmente são mais graves nas primeiras semanas após a lesão. No entanto, podem persistir por meses ou até mesmo anos.
  2. Rigidez: A rigidez no tornozelo pode dificultar a caminhada, subir e descer escadas e realizar atividades físicas.
  3. Fraqueza muscular: A fraqueza muscular pode dificultar a sustentação do peso corporal e a execução de movimentos precisos.
  4. Instabilidade: A instabilidade do tornozelo é a principal sequela de uma entorse grave. Ela ocorre quando os ligamentos não são capazes de manter o tornozelo estável. Isso pode causar novas torções, insegurança e dificuldade para realizar atividades físicas.

O risco de sequelas permanente após fratura no tornozelo é maior em pessoas que já tiveram uma entorse anterior. Também é maior em pessoas com pés planos ou pronados.

A fisioterapia é importante para reduzir o risco de sequelas de entorse de tornozelo. A fisioterapia ajuda a reduzir a dor e o inchaço, melhorar a amplitude de movimento e fortalecer os músculos.

Fratura calcâneo sequelas

A fratura do calcâneo (osso do calcanhar) pode resultar em várias sequelas, que são consequências ou complicações que podem surgir após o tratamento da fratura. Essas sequelas podem variar dependendo da gravidade da fratura, do tratamento recebido e de fatores individuais. Algumas possíveis sequelas incluem:

  1. Articulação Subtalar Restrita: O calcâneo faz parte da articulação subtalar, que é responsável pelos movimentos de inversão e eversão do pé. Lesões no calcâneo podem levar à restrição desses movimentos, afetando a mobilidade e a biomecânica do pé.
  2. Artrite Pós-Traumática: Lesões no calcâneo podem aumentar o risco de desenvolver artrite pós-traumática, especialmente se a fratura envolveu a articulação subtalar. A artrite pode causar dor, inflamação e limitações na função articular.
  3. Alterações na Marcha: Dificuldades na recuperação após uma fratura do calcâneo podem levar a alterações na marcha (modo de andar). A marcha pode ser afetada devido à dor residual, rigidez ou desequilíbrios musculares.
  4. Dor Crônica: Algumas pessoas podem experimentar dor crônica no local da fratura, mesmo após a cicatrização. Isso pode ser devido a danos nos tecidos moles, nervos ou desenvolvimento de condições como a síndrome de dor regional complexa.
  5. Deformidades Residuais: Em alguns casos, especialmente em fraturas complexas ou com deslocamento significativo, podem ocorrer deformidades residuais no calcâneo, afetando a forma e a estrutura do osso.
  6. Rigidez Articular: A imobilização durante o tratamento da fratura pode levar à rigidez nas articulações do tornozelo e do pé. A fisioterapia é frequentemente prescrita para ajudar a restaurar a amplitude de movimento.
  7. Impacto na Estabilidade do Tornozelo: A fratura do calcâneo pode influenciar a estabilidade do tornozelo. Isso pode aumentar o risco de entorses e outras lesões relacionadas à instabilidade articular.
  8. Diminuição da Força Muscular: A imobilização e a inatividade durante o tratamento podem levar à atrofia muscular e à perda de força na região do pé e tornozelo.
  9. Impacto Psicológico: A recuperação de uma fratura do calcâneo pode ser desafiadora e demorada. O impacto psicológico, como ansiedade e depressão, pode ser uma sequela em alguns casos.
  10. Necessidade de Adaptações: Em casos mais graves, a pessoa pode precisar de adaptações no estilo de vida, como o uso de calçados especiais, órteses ou auxílios de locomoção.

É importante notar que nem todas as pessoas que sofrem uma fratura do calcâneo experimentarão todas essas sequelas, e a extensão das complicações pode variar.

O tratamento e a reabilitação adequados, juntamente com um acompanhamento médico adequado após uma fratura no tornozelo para minimizar o risco de sequelas permanente após fratura no calcâneo e abordar quaisquer problemas que possam surgir durante o processo de recuperação.

A fisioterapia é o melhor caminho, acompanhe a seguir como a fisioterapia para tornozelo quebrado pode ajudar você a retornar suas atividades e evitar sequela!

Fisioterapia para tornozelo quebrado

A recuperação de um tornozelo quebrado é um processo desafiador que requer cuidados especializados. Nesse contexto, a fisioterapia desempenha um papel crucial, não apenas na restauração da funcionalidade, mas também na minimização de sequelas a longo prazo. Descubra agora como a fisioterapia é vital em cada estágio desse processo de recuperação.

1. Redução da Inflamação e Alívio Inicial:

Nos estágios iniciais, a fisioterapia concentra-se na redução da inflamação. Terapias de gelo, compressas e técnicas de elevação são empregadas para proporcionar alívio imediato e preparar o terreno para o próximo passo.

2. Reabilitação Pós-Imobilização:

Após períodos de imobilização, como gesso ou tala, a fisioterapia é crucial para restaurar a mobilidade. A amplitude de movimento é gradualmente reintroduzida para evitar rigidez articular.

3. Fortalecimento Muscular:

A fisioterapia prescreve exercícios específicos para fortalecer os músculos ao redor do tornozelo. Isso não apenas promove a estabilidade, mas também reduz a probabilidade de recorrência de lesões.

4. Melhoria da Coordenação e Equilíbrio:

Exercícios funcionais e de equilíbrio são incorporados para melhorar a coordenação, vital para evitar quedas e garantir uma marcha estável.

5. Recuperação da Marcha Normal:

Técnicas e exercícios direcionados são utilizados para restabelecer uma marcha normal, garantindo uma distribuição adequada do peso e evitando padrões de caminhada prejudiciais.

6. Trabalho em Flexibilidade:

Exercícios de alongamento são parte integrante da fisioterapia, visando melhorar a flexibilidade dos músculos e ligamentos, reduzindo a rigidez.

7. Minimização de Cicatrizes Teciduais:

Técnicas de massagem e mobilização são aplicadas para minimizar cicatrizes teciduais, melhorando simultaneamente a mobilidade.

8. Educação sobre o Autocuidado:

Os pacientes recebem orientações valiosas sobre autocuidado. Isso inclui exercícios domiciliares, técnicas de gelo e elevação, e consciência dos sinais de alerta que requerem atenção médica.

9. Apoio Psicológico:

Reconhecendo a conexão entre a recuperação física e a saúde mental, a fisioterapia oferece apoio psicológico, auxiliando os pacientes a enfrentar os desafios emocionais associados à lesão.

10. Progressão Gradual:

O programa de fisioterapia é projetado de forma personalizada, adaptando-se à gravidade da lesão e às necessidades específicas de cada paciente. A progressão é gradual, garantindo uma recuperação completa e duradoura.

Quanto tempo para recuperar lesão no tornozelo?

O tempo de recuperação de uma lesão no tornozelo varia de acordo com o grau da lesão. Em geral, as lesões de grau 1 podem ser recuperadas em 2 a 4 semanas. As lesões de grau 2 podem levar de 4 a 6 semanas para se recuperarem. As lesões de grau 3 podem levar de 6 a 12 semanas para se recuperarem.

A recuperação de uma lesão no tornozelo geralmente segue as seguintes etapas:

  • Repouso: O repouso é importante para permitir que o tornozelo cicatrize.
  • Gelo: O gelo ajuda a reduzir a dor e o inchaço.
  • Compressão: A compressão ajuda a reduzir o inchaço.
  • Elevação: A elevação ajuda a reduzir o inchaço.

Em alguns casos, pode ser necessário imobilizar o tornozelo com uma tala ou bota ortopédica. Após a imobilização, é importante iniciar a fisioterapia para fortalecer os músculos e melhorar a amplitude de movimento.

A fisioterapia é uma parte importante da recuperação de uma lesão no tornozelo. A fisioterapia ajuda a reduzir a dor e o inchaço, melhorar a amplitude de movimento e fortalecer os músculos.

Aqui estão algumas dicas para ajudar na recuperação de uma lesão no tornozelo:

  • Siga as instruções do seu médico.
  • Siga o programa de exercícios de fisioterapia.
  • Use sapatos confortáveis que forneçam suporte ao tornozelo.
  • Evite atividades que possam causar dor ou inchaço.

Com o tratamento adequado, a maioria das lesões no tornozelo pode ser recuperada completamente.

Conclusão

As lesões no tornozelo são muito comuns e podem afetar pessoas de todas as idades e habilidades. Se não tratadas adequadamente, elas podem causar dor crônica, incapacidade motora e artrite. É importante reconhecer os sintomas e o tipo de lesão para iniciar o tratamento certo e evitar consequências mais graves. O ideal é procurar um profissional qualificado e seguir rigorosamente o tratamento prescrito.

A fisioterapia é um pilar essencial na jornada de recuperação de um tornozelo quebrado. Além de restaurar a funcionalidade física, ela desempenha um papel vital na promoção do bem-estar mental e emocional do paciente. A colaboração estreita com fisioterapeutas especializados é, portanto, fundamental para alcançar uma recuperação ótima. 

Aqui na Clínica Vicci em BH você encontra conforto, atendimento exclusivo e humanizado, diagnóstico preciso e toda ajuda necessária com os melhores especialistas em pé e tornozelo para te ajudar. Entre em contato 

 

Leave a comment